CFP

Clube Filatélico de Portugal

Primeiro Voo Comercial em 1928 do Dirigíveel LZ 127 GRAF ZEPPELIN * Lançamento de correio no Funchal PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Fernando M. Oliveira   
Quinta, 15 Outubro 2009 10:35

 

Primeiro Voo Comercial em 1928 do Dirigível Lz 127 GRAF ZEPPELIN

Lançamento de correio no Funchal

                                                                                                                                                        Fernando Oliveira
Fernando M. Oliveira

 

 

Após a construção e a entrega aos Estados Unidos do Dirigível Lz 126 “LOS ANGELES” já descrito e publicado em artigo anterior, os Alemães conseguiram convencer as autoridades aliadas a alterarem as condições que lhe foram impostas no Tratado de Versalhes no que concerne às limitações para a construção de dirigíveis.

Quando do regresso dos Estados Unidos, Hugo Eckener e a Companhia Ferdinand Zeppelin tinham como que assegurado que os americanos não se iriam opor a um projecto que remontava a 1917 e que seria o maior Dirigível até então construído com os seus 236,6 metros de comprimento e 30,5 metros de diâmetro, que tomaria o nome de GRAF ZEPPELIN em homenagem ao fundador da Companhia.

A construção do Dirigível demorou muito tempo devido à dificuldade do financiamento do projecto, e a aquisição de materiais para a sua execução devido à dificuldade da indústria alemã no pós-guerra.

Só em 18 de Setembro de 1928 foi realizado o primeiro voo de ensaio que consistiu num voo local sobre Friedrichshafen de 200km com uma média de 62km/h.

Os voos de ensaio continuaram até 08/10/1928 (6ºvoo). O primeiro voo comercial transatlântico para a América do Norte e o retorno à Europa do dirigível são indicados no quadro seguinte:

mapa voos
 

Na análise do quadro que mostra o 7º e 8º voos constata-se no sentido Europa – América do Norte, um percurso de 9.926 km cerca de mais 2500 km do que no sentido inverso. Esta diferença está relacionada com o plano de voo elaborado pelo Dr. Hugo Eckener tendo em conta a experiência do seu voo ao comandar o dirigível “Los Angelos”, a altitude de cruzeiro e os anticiclones dos Açores muito activos nesta altura do ano.

Para evitar ventos contrários fortes o plano do 7º voo, previu a travessia do Atlântico mais a sul e beneficiar de forma a apanhar ventos mais suaves e daí a passagem do Lz 127 pelo Funchal. O dirigível também sobrevoou a ilha das Bermudas antes de atingir a costa dos Estados Unidos. Este voo mesmo assim chegou a Lakehurst quase no fim da autonomia de voo do dirigível.

Como se pode ver na Fig. Nº1 a vermelho a corrente do Golfo, separa as águas quentes com um teor de sal elevado do mar dos Sargaços, localizado a oeste dos Açores + ou – a 30º latitude norte, das águas muito frias da costas do Canadá e da Terra Nova. A corrente do Golfo com uma velocidade de cerca de 150 Km por dia origina fenómenos de evaporação devido a choques térmicos, que no hemisfério norte se dirigem para a Europa num movimento no sentido dos ponteiros do relógio, formando as celebres Frentes com origem nos Açores. Para aeronaves com altitudes de cruzeiro até 6.000 pés era extremamente difícil suportar permanentemente de frente durante milhares de quilómetros, chuva e vento por vezes com velocidades ciclónicas. É esta a razão porque no sentido América-Europa do 8º voo os valores apresentados no quadro são melhores porque o dirigível praticamente cavalgou as frentes na sua deslocação para o ocidente.

Nesta primeira viagem Europa – América do Lz127 foram embarcados em Friedrichshafen cerca de 55 mil objectos postais. Em 10 de Outubro de 1928 foi lançado pelos correios alemães uma série de 3 selos com os valores de 1, 2, e 4 RMK com o desenho do dirigível para comemorar o primeiro voo comercial. Os portes devidos para o correio transportado pelo dirigível para o estrangeiro eram: Postais 2RMK, Cartas 4RMK.

fig1
Fig. nº1 - A  vermelho indicação da corrente do Golfo.  A roxo a indicação das correntes originadas nas costas da América do Norte, Canadá e Terra Nova e a corrente do mar dos Sargaços. A preto a rota do Lz 127, no 7º voo Friedrichshafen-Funchal (Madeira) - Ilhas das Bermudas -Lakehurst
 

De início o dirigível ainda não dispunha de secção postal a bordo, como aconteceu mais tarde mas simplesmente tinha recordações como postais ilustrados com motivos do dirigível, que eram comprados pelos passageiros e tripulantes e largados nas cidades da passagem do sobrevoo do dirigível.

No caso presente deste voo sobre a cidade do Funchal, foram largados e até ao momento conhecidos 30 artefactos postais. Dizemos 30, porque é este o número que o catálogo “NOTAS SOBRE O CORREIO AÉREO PORTUGUES Período entre 1920 e 1955” editado pelo Aerofilatelista nosso amigo João Manuel Soeiro, apresenta na peça que ilustra este voo no catálogo referido, e eu nunca vi número superior a este. Em todo material lançado na bolsa pelo GRAF ZEPPELIN na baía do Funchal nenhum é franquiado e todo ele tem números inscritos à pena de cor azul diferentes, o que na minha opinião é o número de ordem para controlo da correspondência e não qualquer porte a cobrar.

Na Fig.Nº 2 os nossos leitores podem observar o número 25, em catálogos de leilõeis já observei os Nº 20 e 15, nenhuma das peças tinha aposta a marca (T) para ser porteado no destinatário, como existe nalguma correspondência observada por mim transportada por este dirigível e dirigida à Alemanha. No postal da Fig 2 pode ainda observar-se a palavra alemã “NACHGEBÜHR – Dresden Nº6” inscrição aposta na estação de correios nº6 na cidade de Dresden, isso sim confirma que o postal foi enviado do dirigível sem franquia e não foi porteado, funcionando como carimbo de chegada, talvez por algum acordo pontual entre a Companhia Zeppelin e os correios alemães.

Os Passageiros e tripulantes do dirigível sabendo antecipadamente da passagem do dirigível na Ilha da Madeira escreveram alguns postais, para serem lançados no Funchal onde é aposta a marca redonda a vermelho com a data de 11/10/1928, primeiro dia de viagem do Lz127.

Na manhã do dia 12 quando o GRAF ZEPPELIN sobrevoava a baía do Funchal, este correio foi lançado numa bolsa que infelizmente caiu na água mas foi prontamente recolhida. A intervenção dos Correios Portugueses resume-se à certificação dos postais lançados com a aposição da marca do dia 12 OUT. 28, do Funchal, a pedido das autoridades consulares alemãs na ilha e o correio depois enviado pelos canais diplomáticos para a Alemanha e entregue aos correios alemães para a sua distribuição.

A correspondência deste lançamento efectuado no Funchal até agora observada por nós ao longo dos anos, é toda dirigida à Alemanha. Este correio é altamente cotado devido à procura ser elevada em relação às peças disponíveis no mercado filatélico.

fig2        
Fig Nº2 - Postal ilustrado com a sala de jantar do GRAF ZEPPELIN,  lançado de bordo do dirigível  na sua passagem pelo Funchal. Peça de colecção do autor

 

 

 

Lisboa 12 de Março de 2006

 

 

Bibliografia consultada:

-Enciclopédia Luso Brasileira

-Airshipmen, Businessmen and Polities by Prof. Henry Cord  Meier

- Comercial Zeppelin Flight by Jonh Duggan and Jim Graue

- Catálogo AAMS Volume 1, 5ª Edition

- Outra documentação dispersa sobre os dirigíveis alemães

 

 

Actualizado em Domingo, 15 Novembro 2009 13:29
 

Procura

 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack